sexta-feira, 12 de junho de 2020

O meu lugar no mundo

Bruno 6°D

Tema​: O sujeito e seu  lugar no Mundo 

Objetivo​: Contribuir para o prDocesso de aprendizagem do estudante, de forma a possibilitar a retomada e aprofundamento de diversos conhecimentos geográficos adquiridos antes da pandemia.  

Habilidades​: Ampliar as noções de pertencimento e identidade e iniciar a ideia de Território

Materiais necessário para desenvolver a atividade​:  - Papelão ( reaproveitar papelão de caixas do supermercado)  - Tesoura, cola, lápis de cor, revistas.  Passo a Passo 1 - Faça​ 5 ​círculos de papelão de tamanhos diferentes, você pode usar um copo para fazer o primeiro círculo e aumentar progressivamente.

Passo a Passo

1 - Faça​ 5 ​círculos de papelão de tamanhos diferentes, você pode usar um copo para fazer o primeiro círculo e aumentar progressivamente.  

 


2 - A ideia é representar  o seu  ​país​,​ estado​, ​cidade​, ​bairro​ e sua​ casa​ e entender os diferentes territórios, como se “um lugar está sempre dentro de outro”, já que  fazemos parte de um contexto muito maior que pode ser  visualizado nos círculos de papelão.

3 - No primeiro círculo, o menor, você vai representar a sua ​casa​.

4 - O círculo vai aumentando e você pode representar seu ​bairro​. Coloque no 2° círculo o que tem no seu bairro. É rural ou urbano.Tem comércios, escolas, fábricas. Represente seu bairro no 2° círculo. 

5 -  O círculo aumenta e você pode representar sua ​cidade​.  

6 - O próximo círculo é seu​ estado​.  O que você pode representar dentro do círculo que lembra seu estado? 

7 - No último círculo você vai representar seu ​país​. O Brasil é um país muito diverso com diferentes paisagens. Como você pode representar o Brasil dentro do círculo? Use a imaginação e criatividade.  

8 - A representação do Espaço Geográfico 

Bruno, 6D
Ana Julia, 6D
Vitória 6C

Vitória 6C


PDF do roteiro da atividade/ 6° ano/ 2°bimestre

Atividade adaptada do Nova Escola

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Produção de Mudas em casa

 

Mudas de IpêCom a  recomendação de permanecer  em casa durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) ,  foi preciso  pensar numa nova estratégia para  aproveitar o tempo em casa e desenvolver novas habilidades ambientais.
A produção de mudas de plantas através de sementes é simples, mas exige alguns cuidados básicos.  

Ela pode ser feita em  vasos, saquinhos ou reaproveitar embalagens de garrafas pet, caixas de leite, latas, potes, bandejas plásticas e caixas de ovos,  perfazendo uma infinidade de recipientes recicláveis.  

O tamanho do recipiente é importante e está diretamente relacionado com o tamanho esperado da muda na época de transplante. Mudas de árvores frutíferas   se desenvolvem melhor em embalagens maiores, enquanto temperos e hortaliças, ficam bem nos menores.  

Algumas sementes exigem semeadura diretamente no local definitivo, pois são muito sensíveis ao transplante, como as cenouras por exemplo. Neste caso, prepare bem os canteiros e dispense os recipientes. 

PASSO A PASSO 
1. Separar as sementes das frutas, principalmente as frutas da estação: abacate, pitanga, acerola, manga, pinhão, mamão, limão, laranja, maracujá, goiaba, caqui, fruta do conde, entre outras. 
2. As sementes deverão ser postas para germinar, em lugar sombreado, em uma bandeja, ou recipiente que você escolheu, contendo uma mistura de areia e terra. 
3. A profundidade de cada semente deve ser calculada de acordo com seu tamanho e necessidade de luz para boa germinação. A regra é cobrir cada semente em uma camada com cerca de 2 a 3 vezes o seu tamanho. Ou seja, geralmente camadas finas. Existem sementes tão pequenas que nem precisam ser cobertas. Basta depositá-las  e pronto.
4. As sementes germinarão entre 10 a 30 dias.
5. Para a transferência das mudas para o lugar definitivo, recomenda-se que tenham no mínimo 50 cm. 
6. É preciso cuidar com carinho das mudas, não deixar ao sol, regar sempre que necessário e verificar se não estão sofrendo ataques de formigas.  


OBS: Não deixa de acessar o grupo da eletiva no facebook, coloque um comentário e fotos de como está o desenvolvimento da sua mudinha. 🌳🌳🌳

PDF da atividade

sexta-feira, 13 de março de 2020

Toda semente quer brotar


Durante as apresentações sobre a importância da arborização urbana, decidimos construir um pequeno viveiro e produzir  mudas de árvores nativas,  visando promover o protagonismo juvenil e a consciencia ecológica. 
Os estudantes combinaram que durante o percurso até a escola observariam as árvores que encontram no caminho, assim como as sementes que estão no chão. Observamos as sementes e conversamos sobre os cuidados que uma semente precisa para se desenvolver. 
Conhecemos a semente da Castanha do Maranhão, que é uma espécie frutífera, nativa e ornamental, utilizada como cerca viva. Também conhecemos a espécie Hibiscus,  exótica, ornamental, muito cultivada nos jardins brasileiros.  
Aproveitamos para saber a diferença entre uma espécie nativa, que é originária da região, portanto, cresce dentro dos limites da sua área de dispersão, e  uma espécie exótica, que é o caso do hibisco, espécie da Ásia, que foi introduzida intencionalmente no nosso território.
Um dos principais métodos de propagação de espécies vegetais,  a estaquia é bastante utilizada como processo de propagação dos vegetais que pode ser efetuado utilizando- se seus orgãos vegetativos como: folha, ramo, caule, brotações e raizes. A vantagem é que a planta cresce e floresce mais rápido que a reproduzida por semente.
O Ipê é muito conhecido por sua beleza, exuberância das flores e ampla distribuição em todas as regiões do Brasil. Os ipês são caducifólias, ou seja, perdem todas as folhas que são substituídas por cachos de flores de cores intensas. São árvores de grande porte que gostam de calor e sol pleno. (IFB)

nespereira (Eriobotrya japonica) é originária do sudeste da China. Sua fruta, chamada de nêspera, também é chamada ameixa-amarela no Brasil. 

Depois da aula teórica, fomos conhecer as diversas árvores do quintal da  escola e tentar  identificar quais  são as árvores nativas, se são exóticas e aproveitar para comer muitas goiabas. 
A turma adorou a aula prática no quintal da escola. Observaram que existe muitas formigas e vão pesquisar o manejo e controle correto, visto que elas cortam tudo e pode ser um grande problema para o nosso pomar, visto que muitas plantas morrem após o corte, especialmente quando são atacadas enquanto mudas.
“Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável, mas não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático, daquilo que vale ser aprendido; daquilo que é belo, do que é moralmente correto. A não ser assim, ele se assemelhará, com seus conhecimentos profissionais mais a um cão ensinado do que a uma criatura harmoniosamente desenvolvida”. Albert Einstein

Fontes: CPTEmbrapa

sexta-feira, 6 de março de 2020

Oficina na eletiva: Preservação Ambiental


A oficina tem como objetivo estimular a compreensão da importância da preservação dos  ambientes naturais que dão sustentação a vida do planeta.

A proposta é oferecer diversas revistas para que os estudantes  tenham contato com diferentes imagens para perceber a  relação do Ser Humano com a natureza, seus hábitos e comportamento que impactam nos ambientes naturais. 
O trabalho em equipe é excelente  para promover e valorizar a convivência,  criando oportunidades para que os estudantes  expressem suas  opiniões e desejos sobre o tema.

Durante a oficina, o clima entre os estudantes fica descontraído e facilita à troca de ideias, cria-se um espaço que incentiva a autonomia e um tempo favorável para  que se revelem lideranças e conscientização de novas atitudes sobre os recursos do nosso planeta.

Pensar em ações para transformar o entorno da escola e estimular  ideias e habilidades   para o enfrentamento da crise ambiental

E finalmente, as apresentações: 
Durante as apresentações foi possível perceber como os estudantes estavam motivados e têm muito a contribuir com a eletiva.
É preciso valorizar as ideias e habilidades dos estudantes como contribuição para a superação dos desafios frente ao cenário de mudanças climáticas.
É um momento muito oportuno para criar e fortalecer espaços de protagonismo, estimulando práticas com foco na solução de problemas e na realização de intervenções para melhoria do entorno da escola.
“O mundo não é. O mundo está sendo.(...) meu papel no mundo não é só o de quem constata o que ocorre mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências. Não sou apenas objeto da história, mas seu sujeito igualmente. No mundo da história, da cultura, da política, constato não para me adaptar mas para mudar. (...) Ninguém pode estar no mundo, com o mundo e com os outros de forma neutra. Não posso estar no mundo de luvas constatando apenas. (...) É a partir deste saber fundamental: mudar é difícil mas é possível, que vamos programar nossa ação político-pedagógica”.
Paulo Freire

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Árvore dos sonhos

A atividade foi realizada com a nova turma da eletiva de educação ambiental, dos 6°s e 7°s anos.
A eletiva  foi planejada de acordo com a proposta da BNCC que aponta a importância do desenvolvimento crítico e participativo dos alunos, considerando o uso sustentável dos recursos naturais e a qualidade de vida das pessoas.
 primeiro momento foi a sensibilização com  a atividade “A Árvore dos Sonhos” com o objetivo de identificar, entender e analisar o que a turma pensa e deseja para um futuro mais sustentável.

Para a realização da oficina utilizamos cartolinas, canetinhas, lapis de cor e tesoura.

Cada aluno escreveu seu sonho numa folha para compor nossa  árvore dos sonhos.
Com a Árvore dos sonhos pronta, foi possível identificar a percepção ambiental dos alunos, tanto individual como coletivamente.

Bianca, 6A, nossa fotógrafa oficial

Para Lembrar do grande Poeta Carlos Drummond de Andrade:  
"No meio do caminho tinha uma pedra... Tinha uma pedra no meio do caminho"

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Feirão das Eletivas


Inova Educação, que tem como objetivo preparar os alunos da rede estadual para os desafios e oportunidades do século 21 por meio de três componentes curriculares: Eletivas, Projeto de Vida e Tecnologia. As Eletivas, são definidas de acordo com as perspectivas dos jovens e das linhas de trabalho desenvolvidas pelas equipes de docentes. A partir desse diálogo, a unidade apresenta opções de acordo com o desejo dos estudantes.   
As propostas apresentadas no feirão hoje permeia diversos  temas como: Meio Ambiente, mudanças climáticas , ODS,  Cultura, turismo e  tecnologia.

Como vai funcionar: A cada semestre, o estudante vai escolher a eletiva  que deseja cursar, de acordo com seu projeto de vida e as opções oferecidas pela escola. Serão duas aulas por semana e o produto final da eletiva será apresentado para a Comunidade escolar na Culminância. 

Imagens: Prof° Sioni.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Um novo ciclo...


Hoje começa um novo ciclo na minha vida. Escolher retornar para o Dinorá foi escolher rever a minha trajetória profissional como educadora, pois foi aqui que despertei para a importância do trabalho com Educação Ambiental e onde iniciei os primeiros projetos envolvendo sustentabilidade e protagonismo juvenil.
Sempre guardei comigo o envolvimento e o comprometimento dessa comunidade. O trabalho se concretizava não apenas pelo apoio para desenvolver as atividades, mas também por conta da confiança e respeito que cultivamos entre nós, funcionários, professores, alunos, famílias e amigos (aliás, quantos amigos!). 
Tínhamos um único objetivo: transformar a realidade do nosso entorno, provando na prática que é possível atingir nossos sonhos através de trabalho coletivo e solidariedade.  Quem diria que uma escola pública poderia estar presente na RIO +20? O trabalho com o córrego Cambuí foi premiado internacionalmente. Anos de troca de sementes e histórias com alunos do Rio de Janeiro. Aprendemos a importância do cultivo orgânico com a nossa horta mandala.  Tivemos a coragem de receber um grupo de alunos da Índia e mesmo com dificuldades com o inglês, despertamos para outras habilidades de comunicação e mostramos o quanto o povo brasileiro pode ser hospitaleiro e solidário. Ahh, e fizemos muito sabão, reciclando litros e mais litros de óleo de cozinha que seria descartado de maneira incorreta nos nossos rios... São muitas memórias e muitos registros de como trabalhamos e éramos felizes! Recordar o envolvimento sincero de todas essas pessoas, principalmente no início do projeto, que demandou muito esforço físico, autonomia e responsabilidade, me faz sentir muito orgulho dessa relação que foi capaz de nos transformar além das nossas expectativas. Não tínhamos recursos financeiros, a infraestrutura era precária e o próprio contexto dos estudantes poderia ser uma justificativa para não acreditar que seria possível chegar onde chegamos. Aprendi o significado de corresponsabilidade e principalmente do que é ACOLHIMENTO, muito antes dessas práticas  fazerem parte da nova proposta da SEE-SP.  
Num momento tão doloroso da minha vida pessoal, ser recebida com tanto carinho e generosidade me conforta e me dá esperanças de continuar na educação depois de um período muito conturbado.
Toda a minha gratidão a essa comunidade tão especial que continua amorosa e comprometida não apenas com a educação pública de qualidade, mas também com uma proposta de cidadania.
Aproveito também para anunciar que o blog Mão na terra está de volta! Vamos começar a atualiza-lo com muito mais frequência, já que teremos eletivas e aulas de projeto de vida.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Educar para transformar

Ações ambientais realizadas em 2012.
" Não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda a possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas para participar de práticas com ela coerentes [...].
Produção de Palmito Juçara
É porque podemos transformar o mundo, que estamos com ele e com os outros. Não teríamos ultrapassado o nível da pura adaptação ao mundo se não tivéssemos alcançado a possibilidade de pensando a própria adaptação, nos servir dela para programar a transformação" - Paulo Freire. 


Origami de animais da Mata Atlântica

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Atitude sustentável

Alunas do Ensino Fundamental realizam o monitoramento da qualidade da água



A coisa não está nem na partida nem na chegada. Está na travessia. Guimarães Rosa


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Rio Paraíba do Sul

Imagem: Prefeitura Municipal de São José dos Campos

O Projeto de monitoramento da qualidade da água do Rio Paraíba do Sul foca na importância da preservação das matas ciliares que funcionam como verdadeiros filtros, retendo os poluentes e sedimentos que seriam transportados para os cursos 
d'água, afetando diretamente a qualidade da água e, conseqüentemente, a vida das pessoas. 


Refletindo sobre a situação atual do Rio Paraíba do Sul,  especificamente no município de São José dos Campos,  é perceptível  o elevado índice de poluição e desmatamento e a destruição da mata ciliar que se encontra em avançado estágio de degradação ambiental.



O projeto tem o apoio do ENO PROGRAMME  e WWMC - 
World Water Monitoring Challenge e é desenvolvido na Escola Dinorá Brito. 


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

A horta como espaço educador

A coisa não está nem na partida nem na chegada. Está na travessia (Guimarães Rosa).

Todos os espaços que se dedicam à realização plena da educação, em todas as suas formas, podem ser chamados de espaços educadores. Um espaço educador é aquele que concretiza situações de ensino-aprendizagem intencionalmente, ou seja, espaços que assumem a   responsabilidade de educar. Para alcançar esse objetivo, os espaços  educadores dialogam com a realidade dos aprendentes e se constituem em referências de seus valores para a comunidade. 
Fonte:  O que são Espaços Educadores Sustentáveis, Carla Borges - Salto para o Futuro 

sábado, 1 de dezembro de 2012

Pomar pedagógico - Romã



Alunas do EF-6C experimentam Romã no Pomar da escola
A Romã  surgiu na região do sudoeste asiático, entre o Mediterrâneo e o Irã, e, nos textos bíblicos, é associada às paixões e à fecundidade. Na crença popular nacional, atrai dinheiro. Para os pesquisadores da Embrapa Agroindústria de Alimentos , as sementes e a polpa da romã, o fruto da romãzeira, têm muito mais poderes: um alto teor de flavonoides (antocianinas) e outros potentes antioxidantes, como vitamina C, e ação de proteção contra câncer. A romã pode ser consumida em forma suco.
Fonte: EMBRAPA

Realização: Comunidade escolar - Professores, funcionários e alunos
Período: 2010-2012
Árvores plantadas: Amora,Ameixa,Jabuticaba,Framboesa,Jambo,Manga, Abacate,Pitanga, Acerola, Caqui, Cajá, Caju,  Romã
Apoio: Instituto Unibanco