segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Correção do solo

Na realidade o que chamamos de correção é tornar o solo adaptado à cultura que queremos. E não adaptar o cultivo ao solo, como seria mais racional do ponto de vista ecológico.
Nas condições de solos naturalmente ácidos, quando se fala em "correção" basicamente se pensa em calcário, como fonte de cálcio para as plantas.
As propriedades físicas, químicas e biológicas do solo são determinadas pelo processo geológico de sua formação, origem dos minerais, e sua evolução de acordo com o clima e o relevo do local, além dos organismos vivos que o habitam.
As propriedades físicas é que determinam, por exemplo, se o solo é solto, aerado, ou se é compactado. Se a água penetra bem ou se escorre, quando chove; As propriedades químicas, é que mostram a acidez (pH), a quantidade e diversidade de nutrientes, se a planta pode absorver bem estes minerais, e as propriedades biológicas que se relaciona com a vida que existe nele.
Como qualquer outro organismo vivo, o solo necessita de alimentação em quantidade, qualidade e regularidade adequadas, além de estabilidade para poder desempenhar suas atividades da forma mais eficiente.
A intensidade da atividade biológica do solo é fator determinante na sua fertilidade. Para qualquer ação mal feita (adubação química solúvel concentrada, falta de matéria orgânica, falta ou excesso de água, falta de luz, uso de agrotóxicos, tratos culturais errados), haverá sempre uma reação da natureza, na forma de ataque de algum agente, como insetos, ácaros e microorganismo, indicando o erro do manejo.
A maneira correta de proteger as plantas dos insetos e microorganismos é prevenir o ataque desses agentes da natureza, dando a essas plantas, através do solo, uma alimentação saudável e equilibrada.
A forma mais fácil e barata de se conseguir isso é através da adubação orgânica, ou seja, aplicando compostos, estercos, palhas, resíduos, adubos verdes, cascas, restos de colheita, etc.
Devemos aprender a dialogar com a natureza, observar seus indicadores biológicos e trabalhar junto com ela, a favor de nossas culturas.
Fonte: Princípios Básicos da Agricultura Ecológica – Centro Ecológico

5 comentários:

ana paula disse...

É muito interessante ver que os alunos da nossa sala estão interessados no projeto ...
e que o que eles fizeram no projeto foi muito bom ...porque todo trabalho braçal ficou para os garotos, junto com o profissional contratado,mais eles estão se empenhando muito
por que as vezes eles não se interessam nas aulas teoricas
e quando surgem essas oportunidades para eles trabalharem na horta ,eles ficam felizes e gostam muito...
o projeto esta ficando otimo com a ajuda de todos os alunos da escola
e nos esperamos a oportunidade de poderemos tambem ajudar..
Ana Paula e Helen 1ºD

bruno disse...

Sou Bruno , estou la na foto e ajudei a preparar o terreno para fazer a plantação das verduras que sera utilizada na alimentação. aprendi algumas tecnicas que não conhecia e isso pode ajudar muito quando for montar a minnha horta na minha casa

Isabela, Caroline, Mariana 1º B disse...

Olá
Estivemos na escola da Embraer para ver os projetos que tem lá, foi muito legal.
Mas agora a nossa escola também está fazendo e apesar de estar em andamento,já podemos ver o resultadoe que está ficando ótimo.

Mateus disse...

Vocês estão usando consorcio com leguminosas, os chamados "adubos verdes"?

Rosa disse...

Olá Mateus, tudo bem?
Vamos trabalhar o manejo ecológico do solo, aplicando técnicas de adubação verde e rotação de cultura.